Taxas futuras têm viés de baixa com cenário de juros menores no Brasil e EUA

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


Após a queda firme na terça-feira, 17, os juros futuros operam mais perto da estabilidade, mas ainda com viés de baixa nos médios e longos diante da perspectiva de juros menores no Brasil e nos Estados Unidos a partir desta quarta-feira (18) - e na expectativa de sinalização de mais cortes no comunicado dos dois bancos centrais, às 15h (Federal Reserve, Fed, o BC norte-americano) e 18h (Copom).

O cenário externo também está levemente positivo, com petróleo em queda, bolsas europeias em alta e dólar mais fraco ante moedas emergentes, embora em alta ante o real.

Às 9h36 desta quarta-feira, a taxa do contrato de depósito interfinanceiro (DI) para janeiro de 2020, que capta as próximas decisões do Copom, estava em 5,190%, na mínima, de 5,185% no ajuste de terça. O DI para janeiro de 2021 estava em 5,19%, de 5,20% no ajuste anterior. O vencimento para janeiro de 2023 marcava 6,23%, de 6,27%, enquanto o DI para janeiro de 2025 exibia 6,81%, de 6,84% no ajuste anterior.

Notícia



Caixa rouba R$ 7 bilhões por ano do trabalhador com taxa do FGTS, diz Maia

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que R$ 7 bilhões do lucro anual da Caixa Econômica Federal são "roubados" do trabalhador por meio da taxa de administração do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS)...