Técnicos do TCU apontam omissões de Braga Netto

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir




A área técnica do Tribunal de Contas da União (TCU) recomenda aos membros da Corte a abertura de um processo para averiguar a conduta do ministro da Defesa, general Walter Braga Netto, no combate à covid-19 no período em que comandou a Casa Civil e coordenou o Comitê de Crise do governo. O documento interno, ao qual o Estadão teve acesso, aponta "graves omissões" do general. Entre elas, "não ter contribuído da forma que seria esperada para a preservação de vidas".

No TCU, o processo tem a relatoria do ministro Vital do Rêgo. Ele ainda analisa se vai acolher a sugestão e, para isso, tem mantido conversas com os demais integrantes da Corte. A eventual abertura do processo de representação pode ampliar o cerco sobre os erros do governo na gestão da pandemia, que já deverão ser esmiuçados pela CPI da Covid, no Senado, prestes a iniciar os trabalhos.

Além disso, uma eventual abertura de processo aprofundaria o desgaste do presidente Jair Bolsonaro por investigar a atuação de mais um militar de seu núcleo duro diretamente envolvido no enfrentamento à principal crise do Brasil. Na Casa Civil, Braga Netto foi designado por Bolsonaro para coordenar o Comitê de Crise da pandemia. Entre as atribuições, estavam articular e monitorar ações governamentais, bem como assessorar o presidente na pandemia. É exatamente no desempenho dessas atribuições que os auditores identificaram falhas.

O TCU também mira outro militar, o atual coordenador do comitê, Heitor Abreu, subchefe de Articulação e Monitoramento da Casa Civil. Na avaliação dos técnicos, o tenente-coronel também não contribuiu "da forma que seria esperada para a preservação de vidas".

A iniciativa do tribunal é uma consequência de auditorias e recomendações que apontaram a inexistência de diagnósticos e diretrizes para o combate à doença. A área técnica entende que o Comitê de Crise omitiu-se diante de temas cruciais, como no monitoramento do consumo de oxigênio, emissão de diagnóstico sobre a segunda onda de contaminação e em projeções sobre a disponibilidade de leitos para pacientes de covid.

Uma auditoria realizada pela Secretaria-Geral de Controle Externo do TCU, entre 25 de janeiro e 19 de fevereiro, apontou falhas no trabalho do comitê e transferência de responsabilidades ao Ministério da Saúde. "Constatou-se que inexistem diagnósticos elaborados que contenham as informações supracitadas (sobre diagnósticos conjuntos), bem como inexistem novas diretrizes voltadas especificamente para o enfrentamento à segunda onda de covid-19", diz trecho do documento, de 15 páginas.

Modelo. Aos auditores, o comitê informou que o desenvolvimento de um modelo preditivo sobre o consumo de oxigênio medicinal ainda encontra-se em fase inicial, "havendo necessidade de aperfeiçoamento para que seja mais objetivo e acurado".

A falta de oxigênio para pacientes com covid instalou um caos Manaus (AM), em janeiro, e levou ao colapso o sistema de saúde da capital amazonense. Pacientes internados por causa do novo coronavírus morreram por falta de ar para respirar.

O comando do comitê também confirmou não possuir diagnósticos elaborados em conjunto com Estados e Distrito Federal para lidar com a "segunda onda" de infecções. Disse apenas que há "monitoramento constante da situação dos Estados e municípios".

Os técnicos da secretaria de controle sugerem o encaminhamento das conclusões da auditoria para a Procuradoria-Geral da República e ao Congresso Nacional. Para o âmbito do Legislativo, indicam que o documento pode subsidiar debate de medida legislativa sobre o "planejamento governamental para crises sanitárias de grandes proporções".

Em resposta ao Estadão, o Ministério da Defesa alegou que não houve omissão do Comitê de Crise. Segundo a pasta, "inúmeras atividades e ações" foram coordenadas pelo comitê, como a abertura de crédito de R$ 20 bilhões para vacinação contra covid e a disponibilização aos Estados de mais de R$ 115 bilhões para ações de saúde pública.

"Todas as ações executadas seguiram a diretriz geral de salvar vidas, preservar empregos e empresas e priorizar aos mais vulneráveis. Nesse sentido, o Brasil é um dos países com o maior número de recuperados, quase 12 milhões de pessoas", disse a Defesa.


As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Notícia



Popular

Allan Aal esquece últimas derrotas do Guarani e pede foco nas quartas de final

Controladora das Lojas Americanas, B2W paga caro para ganhar terreno

Em dia de quebra de jejum, Juventus perde para o Milan e sai do G4 do Italiano

Ponte Preta conhece adversário do Troféu do Interior, mas técnico mira a Série B

China: minério de ferro salta a níveis recordes com expectativa de oferta escassa

Bolsas da Europa fecham sem sinal único, com setor de energia em foco

Em meio à tensão na Cisjordânia, ataques deixam 20 mortos em Gaza, diz Hamas

Brasil chega a 422 mil mortes e SP passa 3 milhões de casos por covid-19

Pandemia acentuou contrastes econômicos

Em entrevista, Omar Aziz fala em "promiscuidade" na gestão de Pazuello

Especialistas sugerem choque de gestão para clubes se recuperarem financeiramente

EUA: homem mata seis e depois se suicida em festa de aniversário no Colorado

De olho no Corinthians, Inter de Limeira vence Guarani por 1 a 0 em casa

Pressionado, premiê da Hungria radicaliza controle sobre universidades

KPMG classifica desempenho de 40 setores um ano após início da pandemia

Bolsonaro parabeniza polícia após operação que deixou 28 mortos no Jacarezinho

Ônibus do Santos é apedrejado após vitória que evitou rebaixamento no Paulistão

Com atuação brilhante de Anthony Davis, Lakers batem Suns; Knicks vencem Clippers

Fungo potencialmente letal ataca pacientes com covid na Índia

Ambientada em Londres, 3ª temporada de 'The Girlfriend Experience' fala de IA

PDT envia ao Supremo notícia-crime contra Bolsonaro por prescrição de cloroquina

O PDT enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) mais uma notícia-crime contra o presidente Jair Bolsonaro, atribuindo ao chefe do Executivo supostos crimes de perigo contra a vida da população e charlatanismo em razão da "excessiva difusão" da cloroquina, medicamento sem eficácia comprovada contra a covid-19...