Bolsas da Ásia fecham sem sinal único, com queda em Xangai e Tóquio em alta

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir




Os mercados acionários da Ásia fecharam sem sinal único nesta quinta-feira, 5. Na Bolsa de Tóquio, houve alta em meio à temporada de balanços, mas Xangai recuou, em dia de fraqueza para petroquímicas e mineradoras e com os riscos da covid-19 novamente no radar.

No Japão, o índice Nikkei subiu 0,52%, a 27.728,12 pontos em Tóquio. Papéis de empresas de transporte marítimo e de seguradoras estiveram entre os destaques, com Nippon Yusen em alta de quase 13% e Mitsui O.S.K. Lines, de 6,7%, enquanto Kawasaki Kisen Kaisha ganhou 6,6%. Nintendo subiu 1,75% e Shiseido, 0,06%, após balanços.

Por outro lado, a Bolsa de Xangai fechou em baixa de 0,31%, em 3.466,55 pontos, e a de Shenzhen, de menor abrangência, recuou 0,75%, a 2.560,47 pontos. Em Xangai, Hengli Petrochemical caiu 6,5% e Rongsheng Petro Chemical, 2,9%. Já Ganfeng Lithium e Zijin Mining cederam 2,9% e 2,4%, respectivamente, após ganhos na quarta-feira. Entre os destaques, Shenzhen Kangtai Biological Products disparou 14%, após a notícia de que teria feito progressos no desenvolvimento de uma vacina contra a variante delta da covid-19.

Em Hong Kong, o índice Hang Seng teve queda de 0,84%, a 26.204,69 pontos. O índice tem oscilado dentro de uma faixa, nas últimas semanas, com investidores atentos a possíveis novas investidas regulatórias da China sobre o setor de tecnologia e games, bem como à pandemia e seus efeitos. Alibaba Health caiu 6,2% e Tencent, 3,9%.

Na Bolsa de Seul, o índice Kospi registrou baixa de 0,13%, em 3.276,13 pontos, após três pregões seguidos de ganhos. Houve quedas em ações ligadas ao varejo e a viagens, diante de temores com a covid-19, após a Coreia do Sul se aproximar novamente de seu recorde de casos diários registrados do vírus. Em Taiwan, o índice Taiex perdeu 0,12%, a 17.603,12 pontos.

Na Oceania, em Sydney o índice S&P/ASX 200 terminou em alta de 0,11%, em 7.779,60 pontos, o suficiente para renovar recorde histórico de fechamento. Ações dos setores financeiro, de saúde e de consumo puxaram o movimento positivo. (Com informações da Dow Jones Newswires).

Notícia



Pará quer uso social para madeira de Belo Monte

O governo do Pará reagiu com indignação ao plano da concessionária Norte Energia, dona da hidrelétrica de Belo Monte, no Pará, que pretende transformar em carvão mais de 3,5 mil metros cúbicos de madeira, dos quais mais de 2 mil m³ são madeira nobre e protegida por lei federal...