SouSmile, de aparelhos invisíveis, 'morde' aporte de R$ 100 milhões

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir




A startup brasileira SouSmile, que oferece aparelhos dentais invisíveis, anunciou ontem que recebeu um aporte de R$ 100 milhões. Fundada em 2018, a empresa pausou os investimentos, que estavam em expansão antes da pandemia, e agora planeja pisar no acelerador para crescer 400% em faturamento em 2022.

A rodada agora anunciada foi liderada pela gestora Kaszek e teve participação também de Chromo Invest, GFC, sócios da Atmos Capital, Allievo e Endeavor Scale-up Ventures. Até então, a startup havia recebido um total de US$ 11,1 milhões (cerca de R$ 61 milhões na cotação atual) em investimentos.

Inspirada na norte-americana Invisalign, a SouSmile usa tecnologia no desenvolvimento dos aparelhos e nos processos relacionados ao atendimento. Como no caso da múlti americana, os alinhadores dentais são criados a partir de imagens 3D geradas pelo escaneamento da boca do paciente - os casos são monitorados para prever a sequência de movimentação dos dentes em cada etapa do tratamento.

Além de automatizar a fabricação dos aparelhos, a startup tem uma plataforma com sistema de agendamento para pacientes e gestão de clínica para dentistas. "A SouSmile investe em tecnologia desde o começo para melhorar a experiência do cliente e garantir qualidade da entrega em escala", afirmou, ao Estadão, o português Michael Ruah, cofundador e presidente executivo da startup.

Sem Intermediário

Ao contrário do modelo da Invisalign, que tem dentistas parceiros que atuam em seus próprios consultórios, o contato da SouSmile é direto com o paciente. Para realizar os atendimentos, a startup tem seis clínicas próprias em capitais como São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Belo Horizonte - ao todo, são 25 dentistas parceiros. Os pacientes são atendidos inicialmente pelo site da SouSmile.

Com os novos recursos, um dos planos é ampliar a rede de dentistas, afirma Ruah. A meta é chegar a 200 profissionais no ano que vem. Para isso, a startup investirá em fortalecimento de marca e novos produtos, como alinhadores que funcionem para um número maior de casos.

O aparelho invisível da startup custa hoje cerca de R$ 4,2 mil - menos da metade do que é cobrado por um tratamento da Invisalign. O preço praticado pela SouSmile se assemelha ao de outra brasileira que tenta ganhar o mercado de aparelhos "invisíveis": as versões da startup Smilink saem hoje por cerca de R$ 4,1 mil.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Notícia



Senado aprova PL que amplia limite para viagem internacional para US$ 10 mil

O Senado aprovou nesta quarta-feira, 8, um novo marco cambial do País, que permite, entre outros pontos, aos brasileiros saírem para viagens internacionais com um limite de até US$ 10 mil ou o equivalente...